Marinha já retirou mais de 600 toneladas de resíduos das praias nordestinas

A Marinha do Brasil e integrantes do Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), afirmam que desde o dia 2 de outubro, foram recolhidas mais de 600 toneladas de resíduos das praias do litoral brasileiro atingidas pelo vazamento de petróleo.

O GGA é formado por representantes da Marinha, Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e avaliam o impacto do óleo nas praias do Nordeste.

“O cálculo é muito relativo, porque é um material que é recolhido junto com areia”, afirmou o comandante de Operações Navais da Marinha, Leonardo Puntel, durante coletiva.

A entrevista foi concedida pela Marinha, Ibama e Governo de Pernambuco, na Capitania dos Portos, no Recife, lembrando que essa foi a primeira vez que algo assim ocorreu no Brasil.

Segundo o G1, Puntel afirmou também que as investigações a respeito da origem do óleo continuam.

“A certeza que temos é de que não é originário do Brasil.

Nosso óleo é fino e a densidade desse material é maior.

Sabemos que [o derramamento] teve origem no Oceano Atlântico, entre 500 e 600 quilômetros da nossa costa”, afirma.

Categoria:Sociedade